Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Júnior Verde é relator de lei que fortalece transporte alternativo no Maranhão

Publicado em: 21 de junho de 2018 | por: admin

 

O deputado Júnior Verde (PRB) foi o relator do Projeto de Lei, aprovado na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (20), que dispõe sobre o acréscimo no prazo de vida útil de veículos no âmbito do serviço público de Transporte Alternativo Intermunicipal e Semiurbano do Maranhão. A lei diz que 8 anos é o limite de vida útil dos veículos fabricados com monobloco, e 10 anos, o dos fabricados com chassis. O texto é de iniciativa do Executivo, mas foi amplamente discutido com a categoria por intermédio do parlamentar.

“Uma grande conquista, pois conseguimos aprovar, de forma a atender as reivindicações da categoria. Será um ganho para o Maranhão, pois alguns operadores estavam regularizando seus veículos em outros estados, por conta da ausência da norma. Representa o fortalecimento desses trabalhadores e da economia do Estado”, justificou o parlamentar.

O deputado reiterou que, entre 2015 e 2017, foram concluídos cerca de 2.500 Km de estradas e vias urbanas no Maranhão, melhorando a infraestrutura rodoviária. “A mudança aprovada na Assembleia vai de acordo com a nova realidade das rodovias e vias urbanas do Maranhão. Além disso, a iniciativa visa manter mais profissionais na formalidade, desestimulando a informalidade”, concluiu.

Denúncia de coação de testemunhas contra Lula na lava jato

Publicado em: 21 de junho de 2018 | por: admin

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal estão sendo questionados por suspeitas de coação de testemunhas para o processo contra o ex presidente Lula sobre o Sítio de Atibaia, na Operação Lava Jato. Foi o próprio Juiz Sérgio Moro que se viu forçado a questionar o MPF após testemunhas do caso afirmarem que foram “procuradas” e “abordadas” por agentes armados, sem mandatos, questionando sobre as relações de Lula com o Sítio que não é dele.

Pela denúncia do eletricista Lietides Vieira, agentes da PF retiraram sua esposa e seu filho pequeno de casa às 6 horas da manhã para questioná-la. Ele afirmou que os agentes estavam com roupas camufladas e de armas na mão.

Os agentes não apresentaram nenhum tipo de intimação ou mandado. As perguntas feitas eram sempre sobre o ex-presidente Lula. A esposa de Lietides trabalha na limpeza da propriedade, contratado por Fernando Bittar, que é um dos donos do Sítio.

A esposa do eletricista e o filho se disseram abalados com o episódio e o menino de 8 anos tem acompanhamento médico até hoje. Um irmão de Lietides Vieira, Edvaldo, também relatou constrangimentos do MPF na tentativa de obter informações para o processo.

Um dos advogados da defesa de Fernando Bittar, Alberto Toron, chegou a “bater boca” com o juiz Sérgio Moro durante o depoimento de ontem. Toron questionou a abordagem e a suposta coação das testemunhas.

O juiz Sérgio Moro tenta, no caso, estabelecer uma conexão entre o ex-presidente, o sítio de Atibaia (SP) e propinas na Petrobras.

Lula é mantido preso político há  mais de 70 dias na carceragem da Polícia Federal de Curitiba. Ele já foi condenado sem provas por Moro no caso do tríplex no Guarujá (SP).

Com informações do Portal UOL

Romário pode estar envolvido em lavagem de dinheiro, diz Coaf

Publicado em: 21 de junho de 2018 | por: admin

 

O ex-jogador Romário está na mira do Ministério da Fazenda. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) encontrou indícios de lavagem de dinheiro em operações bancárias envolvendo o hoje senador pelo partido Podemos, do Rio de Janeiro.

Um relatório indica que ele administra uma conta em nome da irmã, Zoraidi de Souza Faria, com o “intuito de ocultar” a sua própria movimentação financeira.

Segundo o Coaf, o fluxo financeiro da conta é “incompatível com a capacidade financeira” da irmã de Romário.

 

Brasileiros que assediaram mulher na Copa são denunciados

Publicado em: 20 de junho de 2018 | por: admin

Os torcedores brasileiros que gravaram um vídeo assediando uma mulher durante as comemorações da Copa do Mundo foram denunciados por uma jurista russa e poderão responder criminalmente pelo caso.

Além da denúncia, a jurista Alyona Popova também redigiu uma petição por violência e humilhação pública à honra e à dignidade de outra pessoa. O documento irá ajudar a concentrar a opinião pública sobre o caso.

Popova é ativista e uma das grandes referências na Rússia em defesa dos direitos da mulher. De acordo com ela, a punição para os brasileiros pode variar entre multa e restrições ao viajar ao país.

“Na legislação russa, existem várias opções de multa aplicadas às pessoas que humilharam publicamente a honra e a dignidade.

Assim, os cidadãos estrangeiros no vídeo podem ser responsabilizados por violência da ordem pública, expressando desrespeito claro para a sociedade, acompanhados por linguagem ofensiva em locais públicos, abuso sexual ofensivo para os cidadãos”, escreveu a jurista.

Na gravação, ao menos quatro torcedores brasileiros, vestidos com a camisa da seleção, cercam uma mulher loira não identificada e gritam repetidamente uma frase em alusão ao órgão sexual feminino.

Parcendo não entender o sentido sexista das frases que os brasileiros estão gritando, a moça apenas sorri e tenta repetir as palavras sugeridas pelos torcedores.

O vídeo foi compartilhado nas redes sociais e gerou indignação de internautas, que pediram para que os brasileiros fossem denunciados.

O Ministério de Turismo do Brasil condenou ontem (19) a atitude dos brasileiros.

Quatro dos torcedores que insultaram a mulher já foram identificados. São eles: Diego Valença Jatobá, advogado e ex-secretário de Turismo da cidade de Ipojuca, em Pernambuco; o tenente da Polícia Militar de Santa Catarina Eduardo Nunes; e o engenheiro Luciano Gil.

Suspeito de matar mulher e filhas é preso após denuncia da mãe

Publicado em: 20 de junho de 2018 | por: admin

O homem suspeito de matar a mulher e duas filhas, de oito e quatro anos, em São Vicente, no litoral de São Paulo, foi preso na madrugada desta quarta-feira (20).

Segundo informações, Magno Brandão Ferreira, de 27 anos, foi denunciado pela própria família e preso na casa da mãe, que estava recebendo ameaças por conta do crime do filho.

Os corpos de Thamiris de Souza Santos, de 30 anos, e de Nayara Machado de Souza Santos, de oito anos, e Nicolly de Souza Santos, de quatro anos, foram achados na madrugada de domingo (10). As três foram assassinadas com facadas no tórax e pescoço e tiveram os corpos encontrados em estado de decomposição dentro da casa em que moravam, no bairro Parque Continental.

Magno se tornou o principal suspeito do crime após fugir do local do crime e, segundo a polícia, vizinhos que acompanharam a movimentação da perícia e a retirada dos corpos relataram que, uma semana antes da morte das três, Thamiris e Brandão haviam tido uma forte discussão, possível de ser ouvida da rua.

Segundo familiares das vítimas, ele foi preso na casa da família, em São Vicente, na madrugada desta quarta-feira, dez dias após a polícia localizar os corpos e após ter a prisão temporária decretada. “Isso era o mínimo que podia ter sido feito. Nada trará a minha irmã e sobrinhas de volta, mas queríamos que a justiça fosse feita“, afirma a irmã de Thamiris, Thais Lopes da Silva, de 24 anos.

Crime

O crime aconteceu na terça-feira (5), mas os corpos de Thamiris de Souza Santos, de 30 anos, e de Nayara Machado de Souza Santos, de oito anos, e Nicolly de Souza Santos, de quatro anos, só foram achados na madrugada de domingo. As três foram assassinadas com facadas no tórax e pescoço e tiveram os corpos encontrados em estado de decomposição dentro da casa em que moravam, no bairro Parque Continental.

Durante as investigações, o pai de Brandão foi ouvido pela polícia e confirmou que o filho é usuário de drogas e que, com frequência, fazia o uso de entorpecentes em área próxima à cachoeira do Paratinga, também na cidade.

O pai do suspeito também mostrou em seu celular mensagens enviadas por Brandão. O filho usou o celular da ex-companheira morta. Nelas, Brandão se desculpava com o pai, dizendo que ele “nunca o perdoaria pelo que fez“, além de confessar que lembrava do fato de “acordar com uma faca na mão“. Os relatos foram suficientes para que a Polícia Civil encarasse Brandão como principal suspeito da morte de Thamiris e das filhas.