Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Júnior Verde anuncia preparativos para realização de seminário sobre desenvolvimento portuário

Publicado em: 19 de outubro de 2018 | por: admin

O deputado Júnior Verde (PRB) falou, na sessão desta quarta-feira (17), sobre os preparativos para a realização de um seminário que pretende fazer, na Assembleia Legislativa, nos próximos dias, para tratar sobre o desenvolvimento portuário do Maranhão. O parlamentar afirmou que o tema é importante por conta de o estado possuir um dos maiores portos do país, o Itaqui, por onde saem e chegam dezenas de tipos de produtos, movimentando riqueza e gerando empregos.

Segundo Júnior Verde, aconteceu, na tarde de terça-feira (16), uma reunião importante, na Sala das Comissões, para definir estratégias para a realização do seminário focado no desenvolvimento portuário do estado.

“É um porto brasileiro importante que, estrategicamente, sabemos que dá acesso a um portal daqui para o mundo, e, por isso, precisa se desenvolver. É claro que a conjuntura das discussões que tivemos na tarde de ontem foi nesse propósito. Já fizemos, antes, um seminário, inclusive com apoio do Professor Oyama, que estava presente nessa sessão. O professor nos ajudou a formalizar essa iniciativa, que é poder realmente discutir um tema importante para a logística do desenvolvimento deste país”, contou.

No encontro da Sala das Comissões, o deputado disse que participaram representantes da Petrobras, do Banco do Nordeste e, também, de empresas que lidam com o setor portuário, discutindo a necessidade de, mais uma vez, fazer uma reedição ou um fórum para discutir a questão portuária do Estado.

“Eu faço referência à questão portuária, hoje, porque devemos desenvolver a economia no Maranhão. Como é que nós conseguimos desenvolver a economia do estado? Ora, primeiro precisamos dar atrativos para que as empresas se instalem no Maranhão. Nós temos reunido todas as condicionantes para que realmente as empresas se instalem em nosso estado. Precisamos buscar, claro, fazer com que as empresas percebam que nós temos a logística necessária. Temos um porto, temos nossas BR’s, temos nossas ferrovias, tudo que é condicionante como elo de um processo para o desenvolvimento econômico e que permita fazer com que elas possam aqui se instalar”, analisou.

INFRAESTRUTURA

De acordo com o parlamentar, é preciso, também, conceder incentivos fiscais para que as empresas se instalem e gerem empregos, que só virão se houver investimentos na infraestrutura. “Precisamos ampliar a nossa capacidade de recebimento de navios. Quando a gente está na Litorânea, na praia, na orla marítima aqui de São Luís, vemos os navios ali, aguardando para poder atracar, carregar ou descarregar. Aí você percebe, ali, uma fila. Aquela fila não é uma fila que seria a princípio normal, porque o que se quer é que se tenha mais praticidade, facilidade. Cada navio parado significa dizer que há uma perda no que se refere a custo/benefício, porque há um custo pela estada do navio, ali, naquele momento. Então é preciso dar celeridade, ampliar a capacidade portuária do Maranhão”, afirmou.

“O Tegram (Terminal de Grãos do Maranhão) já é a uma referência deste avanço, e já temos aí um escoamento de grãos e os navios são carregados com grãos e são exportados. Mas, precisamos continuar essa ampliação, perceber que é possível atrair investimentos, indústrias, que possam estar beneficiando os produtos aqui mesmo e, claro, tendo o condicionante de poder fazer o escoamento da produção e o porto ser esse portal de acesso. Precisamos melhorar e, ontem, nós já conseguimos discutir com o corpo técnico os primeiros momentos de um fórum, para discutir, realmente, essa necessidade de ampliação do Porto do Itaqui”, finalizou.

Hildo Rocha apoia agentes de saúde e ajuda derrubar veto: aumento salarial está garantido

Publicado em: 19 de outubro de 2018 | por: admin

O Congresso Nacional derrubou ontem o veto ao dispositivo que aumenta o piso salarial dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate às Endemias, previsto na Medida Provisória 827/2018. Combativo defensor da categoria, o deputado Hildo Rocha exerceu papel relevante nas articulações e no convencimento dos colegas de parlamento. Durante sessão do Congresso Nacional, o parlamentar usou a tribuna  para defender a derrubada do veto.

De acordo com Hildo Rocha seria inconcebível manter o veto porque os Agentes de Saúde e de Combate às Endemias estão há quatro anos sem o devido reajuste dos salários.  “Não é aumento de salário, trata-se apenas de reequilibrar os salários desses profissionais que exercem uma atividade indispensável para a saúde pública preventiva e que estão a quatro anos com o mesmo salário”, argumentou Hildo Rocha.

A volta da dengue e outras doenças tropicais

O deputado enfatizou que se os profissionais não dispuserem de boas condições de trabalho e salário adequado o país corre o risco de voltar a sofrer em consequência de doenças como dengue e tantas outras decorrentes da falta das ações preventivas que os agentes realizam com eficácia.

“Se não dermos as condições de trabalho logo irão surgir epidemias e a população vai sofrer e irá cobrar os prefeitos, os secretários estaduais e municipais de saúde. Além disso, haverá aumento de despesas porque o custo com a saúde curativa é muito mais alta”, alegou Hildo Rocha.

O parlamentar finalizou conclamando os colegas de parlamento a comparecerem à Sessão do Congresso. “Nós temos que tomar uma posição e essa posição tem que ser tomada no dia de hoje. O povo brasileiro espera por essa decisão. Por isso, estou aqui pedindo aos colegas deputados, deputadas, senadores e senadoras, que compareçam à Sessão do Congresso para que possamos derrubar o veto, corrigir esse equívoco. Os agentes de saúde e de combate às endemias não podem permanecer com os seus salários achatados, perderam o poder de compra em mais de cinquenta por cento durante os últimos quatro anos, isso não é correto”, afirmou Hildo Rocha.

De acordo com o texto, o aumento será de R$ 1.014,00 para R$ 1.550,00 mensais após três anos. Em 2019, o valor será de R$ 1.250,00; em 2020, R$ 1.400,00; e R$ 1.550,00 a partir de 1º de janeiro de 2021.

Ex-secretário Ricardo Murad continua detido na Polícia Federal

Publicado em: 19 de outubro de 2018 | por: admin

 

A Justiça Federal acolheu pedidos do Ministério Público Federal (MPF) no Maranhão da 7ª fase da Operação Sermão aos peixes, deflagrada nessa quinta-feira (18). A investigação apura o desvio de verbas da saúde e o uso de dinheiro público para influenciar a opinião pública através de blogueiros maranhenses.

Por meio de nota, a Superintendência de Polícia Federal no Maranhão informou que Ricardo Murad, que se apresentou espontaneamente na manhã dessa quinta na sede da PF, permanece custodiado nas dependências da SR/MA devido à necessidade de reinquirição do mesmo depois de ouvidos todos os outros presos envolvidos na operação.

Está sendo conduzido de Goiânia Emílio Borges Rezende, um dos administradores da organização Bem Viver no período que Ricardo Murad era secretário de saúde no Maranhão, e da cidade de Imperatriz o Justino Filho. Após a oitiva de todos, será decidido o destino de Ricardo Murad.

Os investigados da Operação Abscondito poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, dentre outros que possam ainda ser apurados. Após os procedimentos legais, os presos serão encaminhados ao sistema penitenciário estadual, onde permanecerão à disposição da justiça federal.

A representação policial, proposta pelo MPF em 25 de setembro, foi motivada pelas constatações obtidas no inquérito Policial nº 047/2016, instaurado para apurar irregularidades em relação ao desvio de recursos públicos provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS), destinadas pela Secretaria de Estado de Saúde do Maranhão à Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) Bem Viver, entre os anos de 2009 e 2013.

A investigação identificou a existência de uma organização criminosa especializada em desviar recursos públicos federais do Sistema de Saúde para empresas supostamente de fachada. Investigando as contas de tais pessoas jurídicas, verificou-se que foram utilizadas para o propósito de ocultar a origem dos valores, que eram, em parte, ilicitamente apropriados pelo Deputado Estadual Antônio Pereira Filho e em parte
distribuídos, por meio de pagamentos ilícitos mensais, a uma rede de blogueiros maranhenses, que deveriam influenciar a opinião pública em favor do grupo político integrado pelo deputado e pelo então Secretário de Estado da Saúde do Maranhão, Ricardo Jorge Murad. Ele permanece detido na sede da Polícia Federal, na Cohama.

Foi constatada também o recebimento de ilícitos por parte do radialista Justino de Oliveira Filho e do músico Luciano Almeida Figueiredo. Além disso, verificou-se que as pessoas jurídicas eram geridas por Emílio Borges Rezende, Plínio Medeiros Filho e, ocultamente, pelo deputado Antônio Pereira Filho, que utilizaram Valdeney Francisco Saraiva da Silva e Flávia Georgia Borges Gomes, respectivamente presidente e tesoureira da OSCIP, como “testas de ferro” para assegurar o desvio de dinheiro público.

A responsável pela operacionalização desse desvio era Maria da Conceição de Barros, que detinha o controle dos talões de cheque das pessoas jurídicas utilizadas pela organização criminosa. A partir disso, a Justiça Federal acolheu parcialmente a representação do MPF e determinou que fossem cumpridos mandados de prisão temporária, busca e apreensão e constrição patrimonial dos citados na investigação, tanto pessoas físicas quanto jurídicas.

Informações do M10

Ricardo Murad se entrega à PF

Publicado em: 18 de outubro de 2018 | por: admin

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 18, de forma simultânea, duas fases da Operação Sermão aos Peixes – Peixe de Tobias (6ª Fase) e a Abscondito II (7ª Fase). O ex-secretário de Saúde do Maranhão Ricardo Murad, cunhado da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), se entregou à PF pela manhã e foi preso temporariamente.

Além disso, foi determinado o bloqueio judicial e sequestro de bens num valor que supera os R$ 15 milhões.

As diligências estão sendo realizadas em seis cidades: São Luís, Imperatriz/MA, Parauapebas/PA, Palmas, Brasília e Goiânia. A investigação contou com a participação do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e da Receita.

A Redação do Blog está tentando contato com a defesa de Ricardo Murad.

Hildo Rocha busca recursos para construir casas populares no Maranhão

Publicado em: 18 de outubro de 2018 | por: admin

O deputado federal Hildo Rocha se reuniu ontem com a Secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Socorro Gadelha, para tratar sobre projetos habitacionais  referentes a alguns municípios do Maranhão. O encontro contou com a presença do prefeito Vagtônio Brandão, de Buritirana e da vereadora Kassi Pompeu. de Barra do Corda.

Alguns dos municípios que tiveram a atenção do deputado Hildo Rocha foram Buritirana, Poção de Pedras, Buriticupu, Matões do Norte, Esperantinópolis e Marajá do Sena, entre outros.

“Buritirana é um dos municípios maranhenses que está cadastrado no Programa Cartão Reforma. Mas a liberação dos recursos ainda está travada. Com relação a Barra do Corda, o município que já foi beneficiado pelo Programa Minha Casa Minha Vida, em outras etapas, não foi contemplado nos dois últimos chamamentos com as unidades destinadas às comunidades indígenas. Estou aqui com a vereadora Kassi para viabilizar os recursos para que sejam contempladas algumas famílias indígenas de Barra do Corda”, explicou Hildo Rocha.

Recursos estão previstos no Orçamento da União

O deputado destacou que os recursos para os programas habitacionais do Governo Federal estão assegurados. “Tive a oportunidade de ser o Relator do Orçamento do Ministério das Cidades, para este ano, e destinei quase R$ 1 bilhão de reais para o Maranhão. Graças a esse trabalho, atualmente estão em tramitação, no Ministério das Cidades, inúmeros projetos que foram apresentados por entidades maranhenses”.

O parlamentar disse que os critérios exigidos para a aprovação final dos projetos é rigorosa por isso o processo é demorado. “Além disso, se não tiver quem se interesse, quem lute pela liberação dificilmente as entidades conseguem a liberação dos recursos. A reunião teve a finalidade essencial de fazer o acompanhamento, verificar eventuais pendências e, consequentemente, dar celeridade à tramitação dos processos para que os recursos sejam liberados e finalmente as famílias sejam beneficiadas”, explicou Hildo Rocha.