Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Polícia cumpre mandados de prisão durante operação em São Luís

Publicado em: 18 de setembro de 2019 | por: admin

Foto: Reprodução / TV Mirante

A Polícia Civil deflagrou a Operação Demolição na manhã desta quarta-feira (18) para cumprir 16 mandados de prisão e também de busca e apreensão nos bairros São Raimundo e Vila Cutia, em São Luís, por conta dos crimes de organização criminosa, tráficos de drogas e homicídio.

Segundo o superintendente de Polícia Civil da Capital (SPCC), delegado Carlos Alessandro, a operação contou com 66 policiais civis de várias delegacias. A SPCC coordenou a operação e contou com o apoio do Centro Tático Aéreo (CTA) e a Superintendência de Polícia Civil do Interior (SPCI).

“A investigação durou cerca de três meses. Levantamos informações inclusive de pessoas que estão no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, mas envolvidos nesses crimes”, disse o superintendente Carlos Alessandro.

Os presos por força de mandado de prisão nos bairros foram João Vitor Araújo Barros, Pablo Felipe da Silva Ribeiro, Elizabeth Nogueira Soares, Dulcilene Rocha dos Santos, Núbia Cristiane Bezerra Lima, Wellington Sandro dos Santos Lima e Leone de Sousa Caxias. Outras cinco pessoas tiveram os mandados cumpridos dentro do presídio em São Luís e terão os nomes divulgados pela polícia ainda na manhã desta quarta-feira.

A operação ainda está em andamento e até o momento armas e drogas não foram apreendidas.

Justiça absolve detentos acusados de canibalismo em Pedrinhas

Publicado em: 14 de setembro de 2019 | por: admin

A Justiça absolveu na sexta-feira (13) os detentos Rones Lopes da Silva, Enilson Vando Matos Pereira e Geovane Sousa Palhano, acusados de participação na morte e canibalismo contra o detento Edson Carlos Mesquita da Silva. O caso aconteceu em dezembro de 2013, em uma das celas do Complexo Penitenciário de Pedrinhas no Maranhão.

Durante o julgamento, os três acusados negaram em depoimento a autoria e participação no crime, baseada na acusação feita pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA). Os jurados reconheceram a existência de elementos físicos que comprovavam o crime, mas decidiram absolver os detentos.

O julgamento foi realizado no 4° Tribunal do Júri de São Luis e foi presidido pelo juiz José Ribamar Goulart Heluy Júnior. A pedido de uma testemunha, que diz ter sido jurada de morte, os três réus ficaram longe da sala do júri e a imprensa não pôde fazer imagens dos acusados.

Todos foram denunciados pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe, tortura, esquartejamento, canibalismo e destruição de cadáver. Segundo consta na denúncia do Ministério Público, o crime teria sido motivado por rivalidade entre facções criminosas dentro do presídio. Rones Lopes da Silva, conhecido como ‘Rony Boy’, foi acusado de ser o mandante do crime.

O caso

De acordo com a denúncia do Ministério Público, no dia 23 de dezembro de 2013, por volta das 17h, na cela 01 do bloco “C” do presídio São Luís II, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, os denunciados e outro detento (já falecido) mataram Edson Carlos Mesquita da Silva.

Após o crime, eles esquartejaram, vilipendiaram seus restos mortais (canibalismo) e destruíram o cadáver, conforme apontado na certidão de óbito, laudos de exame cadavérico e exame no local. Os restos mortais foram encontrados dentro de sacos de lixo e só foram identificados devido a uma tatuagem que a vítima tinha nas costas.

Uma das testemunhas declarou em juízo que todos os acusados são integrantes de uma facção criminosa da qual a vítima não era membro. Edson Carlos Mesquita teria sido assassinado com uma faca artesanal e os denunciados teriam retalhado o corpo; assado e comido o fígado da vítima, oferecendo ainda aos demais detentos.

Do G1MA

Astro de Ogum e dois assessores são presos pela Seic

Publicado em: 12 de setembro de 2019 | por: admin

Uma Operação deflagrada pela Polícia Civil sob comando da Superintendência Estadual de Investigações Criminais prendeu na manhã desta quinta-feira (12), o vereador Astro de Ogum e dois assessores do parlamentar.

As prisões dos dois funcionários foram decretada pela Justiça do Maranhão, os dois funcionários são suspeitos de envolvimento com crime de pedofilia e extorsão. Os assessores foram identificados como Raimundo Costa, conhecido como Filho, e Raíssa Martins.

Os três suspeitos estavam sendo levados pelos agentes para a sede da Superintendência Estadual de Investigação Criminal (SEIC), mas o vereador passou mal e foi encaminhado para um hospital da cidade.

Por meio de nota enviada a imprensa, a Câmara de Vereadores de São Luís afirmou que os alvos da operação deflagrada pela Polícia Civil foram dois assessores do vereador Astro de Ogum. A nota diz ainda que a polícia apreendeu na casa do vereador uma arma de propriedade de um dos funcionários que faz a segurança do imóvel e por conta disso o político foi conduzido à Seic para explicar o fato. Por fim, a nota diz que para comprovar a situação foram enviados documentos que mostram a veracidade dos fatos.

Leia a íntegra da nota

“Acerca de matérias jornalísticas publicadas na imprensa maranhense, tratando da prisão do vereador Astro de Ogum por posse de arma, em respeito à sociedade ludovicense, a defesa do parlamentar faz este comunicado com base nos esclarecimentos abaixo narrados, para que se restabeleça a verdade dos fatos, equivocadamente divulgados em blogs, portais e emissoras de rádio.1 – Sob comando da Superintendência Estadual de Investigações Criminais, por meio do Departamento de Crimes Tecnológico, sob o comando do delegado Odilardo Muniz, a Polícia Civil deflagrou uma operação na residência do vereador Astro de Ogum, mas os alvos foram dois de seus assessores: um homem e uma mulher. 2 – No local, a Polícia apreendeu aparelhos celulares e notebooks dos investigados. No entanto, no imóvel foi encontrada uma arma de propriedade de um dos funcionários que faz a segurança do imóvel. Por conta disso, o político foi conduzido à Seic para explicar a arma encontrada em sua residência, fato que já foi devidamente esclarecido. 3 – Por fim, para comprovar a veracidade dos fatos, anexamos cópias dos mandatos de busca e apreensão para comprovar que Astro não tem envolvimento com o episódio cujo alvo foi seus funcionários”.

Generval Martiniano Moreira Leite, mais conhecido como Astro de Ogum, começou a atual legislatura como presidente da Câmara de Vereadores de São Luís e agora segue como vice-presidente.

 

 

TSE mantém cassação do mandato de Rosinha Garotinho

Publicado em: 11 de setembro de 2019 | por: admin

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, na sessão de ontem (10), a cassação dos mandatos de Rosinha Garotinho e de Francisco de Oliveira, ex-prefeita e ex-vice-prefeito de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, em 2012, pela prática de abuso de poder político e uso indevido de meios de comunicação na campanha eleitoral. A decisão também manteve a inelegibilidade dos dois políticos por oito anos.

Os ministros do TSE negaram três recursos propostos por Rosinha e Francisco contra as sanções aplicadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ). Eles votaram ainda pelo provimento de recurso apresentado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).

Acompanharam, na íntegra, o voto do relator Herman Benjamin, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin e a presidente do tribunal, ministra Rosa Weber.

Em seu voto, Herman Benjamin, ao rejeitar os recursos interpostos por Rosinha e Francisco, endossou a decisão do TRE do Rio, que constatou abusos no desvirtuamento da propaganda institucional do município, veiculada no site da prefeitura de Campos. De acordo com o MPE, a publicidade institucional teria propagado obras feitas pela administração municipal como se fossem realizações pessoais de Rosinha, com o único objetivo de promover a reeleição ao cargo.

O relator também votou pelo provimento do recurso do Ministério Público Eleitoral. Na ação, o MPE acusou os dirigentes municipais de contratarem 1.166 funcionários temporários para a prefeitura em julho de 2012, ou seja, em período vedado pela legislação eleitoral. O TRE-RJ havia rejeitado a investigação judicial eleitoral do MPE sobre essa questão, por considerar que as contratações teriam ocorrido em data não proibida pela legislação.

Voto
Ao apresentar o voto, o ministro Carlos Horbach negou provimento aos recursos propostos por Rosinha Garotinho e seu vice, Francisco de Oliveira. Ele também votou pela rejeição do recurso sobre as contratações dos funcionários temporários.O ministro considerou graves todos os atos praticados por Rosinha e Francisco e apreciados pelo TRE do Rio com relação ao abuso de poder político e ao uso indevido dos meios de comunicação na campanha eleitoral.

Prisão do casal
No dia 3 deste mês, o casal Rosinha Matheus e Anthony Garotinho foi preso no âmbito da Operação Secretum Domus, deflagrada no Rio e em Campos dos Goytacazes, pelo Ministério Público. A denúncia foi aceita pelo juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.

De acordo com a denúncia, o casal recebeu propinas no valor de R$ 25 milhões, como resultado de superfaturamento de R$ 62 milhões nos contratos, que somaram quase R$ 1 bilhão para a construção de casas populares nos programas Morar Feliz I e Morar Feliz II, durante os mandatos de Rosinha, de 2009 a 2016, na prefeitura de Campos. As investigações indicaram que o segundo projeto não chegou a ser concluído. No dia seguinte (4), o casal foi colocado em liberdade por determinação do desembargador Siro Darlan, do plantão judiciário, do Tribunal de Justiça do Rio.

Funcionários dos Correios decretam greve por tempo indeterminado

Publicado em: 11 de setembro de 2019 | por: admin

Foto: Divulgação / Sintect-MA

Os funcionários dos Correios no Maranhão entraram em greve geral por tempo indeterminado. A greve foi decretada na noite desta terça-feira (10) em assembleias realizada no sindicato da categoria (SINTECT-MA), no bairro Radional.

A categoria quer impedir a redução dos salários e de benefícios, e é contra a privatização da estatal, que foi incluída no mês passado no programa de privatizações do governo Bolsonaro.

O reajuste salarial é um dos principais pontos reivindicados pela categoria. No entanto, os trabalhadores querem também a reconsideração quanto a retirada de pais e mães do plano de saúde, melhores condições de trabalho e outros benefícios.

“A decisão foi uma exigência para defender os direitos conquistados em anos de lutas, os salários, os empregos, a estatal pública e o sustento da família”, afirmou em nota a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect).

Em nota em sua página na internet, a federação informou que a greve foi decretada em São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins, Maranhão e na maioria dos estados do país.

Em nota, a direção dos Correios informou ter participado de 10 encontros com os representantes dos trabalhadores para apresentar propostas dentro das condições possíveis, “considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões”.

“O principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população”, informou a estatal.