Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Jair Bolsonaro diz que Bebianno mentiu e ainda adverte o vice-presidente, Mourão

Publicado em: 14 de fevereiro de 2019 | por: admin

Jair Bolsonaro deu uma entrevista exclusiva para a Record antes deixar o hospital Albert Einstein e o clima esquentou ainda mais no governo com as declarações dadas pelo presidente que teve alta nesta última quarta-feira (13).

Fora do hospital, Bolsonaro começa a buscar soluções para a crise em seu governo, principalmente a que traz indícios de que o PSL teria usado candidaturas-laranja nas eleições, além do mal-estar criado com o ministro Gustavo Bebianno.

Mas o presidente resolveu endossar as críticas feitas a Bebianno, inclusive retuitou uma das postagens feitas pelo filho, o vereador Carlos Bolsonaro que acusou o ministro de ter mentido quando afirmou que teve contatos com Jair Bolsonaro enquanto estava internado.

É mentira“, disse o presidente na entrevista concedida à Record, se alegando aos possíveis contatos que teria mantido com Bebianno, porém, o presidente não disse nada a respeito do ministro deixar o cargo.

Se (Bebianno) tiver envolvido, logicamente, e responsabilizado, lamentavelmente o destino não pode ser outro a não ser voltar às suas origens“, disse Bolsonaro.

Advertência a Mourão

Jair Bolsonaro se elegeu com a bandeira anticorrupção, mas foi só assumir a presidência para enfrentar estes problemas em seu governo. E além dos casos de corrupção e a crise já instalada em seu governo, o presidente precisará tomar providências em relação à economia, lembrando que tem a reforma da Previdência e outros problemas urgentes para resolver.

E na entrevistada dada à Record, Bolsonaro fez questão de avisar que estará afinando os ponteiros com o vice-presidente, pois algumas declarações de Hamilton Mourão acabaram causando ‘climão’.

Jair Bolsonaro admitiu que o vice dá suas ‘escorregadas’ quando fala com a imprensa, mas que não é verdade que alguns generais querem seu afastamento para que Mourão possa assumir a presidência do Brasil.

Mulher que salvou motorista após acidente com helicóptero luta contra doença rara

Publicado em: 14 de fevereiro de 2019 | por: admin

A jovem Leiliane Rafael da Silva, 28 anos, que venceu o metal da fuselagem do caminhão que se chocou com o helicóptero em que estava o jornalista Ricardo Boechat, não poderia imaginar que ela também luta pela própria vida. Além do jornalista, o acidente matou o piloto do helicóptero na última segunda-feira (11), na Rodovia Anhanguera.

Leiliane recebeu o diagnóstico de Malformação Arteriovenosa (MAV) em novembro do ano passado, pouco mais de um mês após dar à luz Livia, hoje com 4 meses. “O primeiro hospital chegou a chamar minha família e falar que eu tinha um tumor cerebral maligno e que eu não tinha chance de vida.”

As malformações arteriovenosas (MAVs) são uma doença rara, provocada por defeitos no sistema circulatório, uma anormalidade vascular, que atinge principalmente o cérebro. Os sintomas mais comuns são dor de cabeça crônica, tontura, convulsões, hemorragia, perda da coordenação motora e até perda de memória. A doença pode ser tratada com cirurgia transcraniana; tratamento endovascular por cateterismo e radiocirurgia (radiação atinge exclusivamente o tecido cerebral doente).

Com a mesma vontade com que socorreu o motorista João Adroaldo, 52 anos, das ferragens do caminhão atingido pelo helicóptero, Leiliane também insiste em viver.

“Já tinha tido minha filha e, em novembro, comecei a sentir que estava doente. Começou a adormecer o braço direito, depois a perna direita, depois a voz começou a ficar enrolada, até eu ter a convulsão e ir parar no hospital. Ninguém sabia o que eu tinha”, disse ela.

Ao lado da família, ela superou a desinformação inicial até receber o diagnóstico preciso. “Os médicos falaram que sentiam muito por mim, por eu ter 28 anos, três filhos. Aí descobri que tinha a doença chamada MAV, que dizem que é mais perigosa que um câncer, porém tem tratamento.”

E é na expectativa de se tratar e fazer a cirurgia necessária no cérebro que ela que se apoia para pensar no futuro.

“Minha filha nasceu com 4 quilos de parto normal, que durou 25 minutos. Quando sentei numa cama para exames na recepção, a criança nasceu em cima da cama. Os médicos chegaram e ela já tinha nascido. O médico até falou que o esforço do parto poderia ter provocado a minha morte.”

Agitada, disposta e, como ela mesma se define, “ligada no 220 V”, Leiliane disse que pretende viver muito ainda. “Não vou morrer agora, não vou mesmo. Tenho 28 anos e se as veias não estouraram até agora, não vai estourar mais. Quero viver, quero ver meus filhos crescerem, quero ver netos. Tenho de durar muito tempo, pelos menos até uns 70 anos”, disse ela, aos risos.
O marido dela, o operador de máquinas Marcio Manuel, disse que o momento do acidente foi muito rápido, incluindo a ação repentina da mulher em prestar o socorro.

“Entrei na contramão da via, foi espontâneo, eu estava sem celular e ela com o celular no bolso. Antes de ela descer eu peguei o celular dela para filmar e mostrar para a mãe dela o que ela estava fazendo, como ela é teimosa”, disse ele.

A preocupação era por conta da recomendação médica para que ela não fosse submetida a nenhum tipo de estresse, nem fizesse esforço. “Foi justamente o oposto que ela fez.”

“Ela não podia fazer esforço, não podia pegar peso. Dei bronca nela que ela não poderia ter feito, mas só de pensar que ela salvou uma vida, fiquei orgulhosa”, disse a mãe Luciene Terto da Silva, 53 anos.

É a mesma opinião do pai, Humberto Manoel dos Santos, 57 anos. “Ela não podia ter feito o que fez porque ela poderia ter ido [morrido] ali também. Mas era uma vida e ela conseguiu salvar essa vida”.

Após ficar famosa e até ser comparada com heroína de história em quadrinhos, como Mulher Maravilha, Leiliane recebeu uma boa notícia.

“Fui procurada por um médico neurocirurgião que se ofereceu para fazer o meu tratamento e até a minha cirurgia. Ele disse que eu só precisaria encontrar um hospital para isso. Passei por consulta com ele nesta quarta-feira.”

Leiliane disse que, desde novembro, chegou a ficar internada cinco vezes para fazer a cirurgia, mas em todas as ocasiões o procedimento foi adiado. “Ainda vou viver bastante.”

 

Com informações do G1

Deputado Dr. Leonardo Sá alerta falta de manutenção em barragem

Publicado em: 13 de fevereiro de 2019 | por: admin

O deputado estadual Dr. Leonardo Sá (PR) chamou atenção, na sessão desta terça-feira (12), na Assembleia Legislativa para a situação da comporta da barragem no Rio Pericumã, no município de Pinheiro, região da Baixada Maranhense, a 333 km da capital. O problema é a falta de manutenção.

A estrutura está comprometida porque há mais de 37 anos não passa por uma reforma, oferecendo risco à população, principalmente a ribeirinha.

“Há mais de 15 anos morando naquela cidade, digo, por conhecimento de causa, que inexiste manutenção naquela barragem. Não há corpo técnico para fazê-la. É uma vergonha. Está tudo abandonado. Quem faz a manutenção hoje é quem quer ajudar, mas não tem condições técnicas para isso. Deixo aqui o meu alerta, o meu sinal vermelho em relação a essa situação. Deixo a minha indignação com a falta de compromisso das autoridades com aquele problema. Uma tragédia anunciada na maior cidade da Baixada Maranhense”, disse.

Secretário Lula Fylho confirma reabertura da maternidade Maria do Amparo

Publicado em: 13 de fevereiro de 2019 | por: admin

Em entrevista a Rádio Mirante AM, na manhã desta quarta feira (13), o secretário municipal de Saúde, Lula Fylho, informou que a Maternidade Maria do Amparo, será reaberta.

A unidade que fica no bairro Anil, está com atendimento suspenso desde dezembro de 2018. A estimativa do prazo para reabertura é de 30 dias.

De acordo com o secretário, o fechamento veio após um quadro insustentável. “O recurso que o SUS (Sistema Único de Saúde) paga por um parto é ínfimo, vai de R$400,00 a R$600,00. Este foi um dos motivos pelos quais, segundo Lula, a maternidade acumulou deficit ao longo dos anos”.

Adolescente morre ao usar celular na tomada, em Santa Quitéria

Publicado em: 13 de fevereiro de 2019 | por: admin

Um adolescente identificado como Lucas Hendyson, morreu eletrocutado, enquanto usava celular, que estava com carregador ligado na tomada. A tragédia aconteceu na tarde desta terça-feira (12), na zona rural de Santa Quitéria, a 348 Km de São Luís.

No momento do choque, chovia muito e um raio teria provocado a forte descarga elétrica. Lucas foi socorrido, mas chegou ao hospital sem vida.

Esses casos de descargas elétricas acontecem pelo processo de conversão de energia que o carregador faz. Quando conectado a tomada, o celular recebe uma carga baixa de energia, sendo que cabe ao carregador fazer a conversão para a baixa tensão. Se o carregador tiver uma falha de isolamento, casos como o do jovem podem ocorrer.