Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

“O que houve foi uma covardia”, afirma pai de advogado

Publicado em: 9 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento

Imirante.com

Advogado Brunno Matos (Foto: Arquivo pessoal)

Rubens Soares, pai do advogado Brunno Eduardo Soares Matos (29) que foi assassinado a golpes de faca no último domingo (5), fez um desabafo emocionado na tarde desta quarta-feira (8).

“Eu quero fazer um apelo, não só de pai, mas de cidadão, de ser humano. Um apelo às autoridades competentes, que não deixem que esse crime brutal seja mais um que passe impune”, disse Rubens Soares.

Soares afirmou que o crime foi cometido sem motivo algum, pois se tinha gente achando a música alta, era só ligar para a polícia.

“Esse tipo de coisa se resolve acionando a polícia, ela tem um departamento que funciona pra isso.  A polícia teria chegado ao local, e eles teriam atendido.  Ele começou a quebrar o retrovisor de todos os carros.  Um desses era do meu filho, que se dirigiu a essa pessoa para perguntar a essa pessoa por que ele estava fazendo isso.  Foi o que bastou para ele matar o meu filho.  Nós estamos destroçados”, declarou.

Para o pai da vítima, o que houve foi uma covardia. Ele recordou que Brunno era muito competente e tinha muito a realizar na vida e que uma pessoa “desqualificada” ceifou a vida dele de forma insana.

“Ele só tinha 29 anos. Muita coisa ainda pra produzir na vida. Eu sei da competência que meu filho tinha. E vem uma pessoa desqualificada, sem nenhum sentimento de humanidade e ceifa a vida do meu filho, quase mata o meu outro filho. É brutal”, lamentou.
Soares foi categórico em afirmar que não vai descansar até que haja Justiça. “Nós já sabemos quem foi a pessoa, eu não vou descansar, pelo resto da minha vida, enquanto a Justiça não for feita”, declarou.
Sobre o estado de saúde do outro filho que foi esfaqueado, Alexandre Matos Soares, Soares disse que o jovem já sabe da morte do irmão e se manteve calmo. Alexandre teve metade do intestino retirado e está na UTI, mas está se recuperando bem.
“Deus me livrou de estar com dois filhos mortos. Eu falei com ele (Brunno) uma hora antes de ele ser assassinado, ele estava sóbrio e feliz. Ele disse ‘pai, não se preocupe, eu não vou demorar”… Meu filho era um filho de ouro”, disse o pai emocionado.

Deixe seu comentário