Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Escândalo! Justiça condena ex-prefeito José Laci a 5 anos de prisão em pedrinhas

Publicado em: 21 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento

Ex-prefeito ficha suja, José Laci, é condenado a 5 anos de prisão.

Mais uma vez, o pivô do escândalo, é o ex-prefeito ficha suja, José Laci de Oliveira.

Atendendo a uma ação interposta pelo Ministério Público Estadual, a justiça condenou o ex-prefeito ficha suja, José Laci de Oliveira, a uma pena de 5 anos de prisão em regime semi-aberto, à serem cumpridos na Penitenciária de Pedrinhas pelos crimes de improbidade administrativa.

Na ação o Ministério Público denuncia uma série de irregularidades administrativas, ocorridas na gestão de Laci no ano 2000.

Após ter acesso as cópias das sentenças o blog do Adrianinho tem tentado ouvir o ex-prefeito José Laci sobre a decisão judicial, mas até o momento não obtiveram êxito.

Segundo informa o blog do Adrianinho Mais, a corda ainda deve quebrar para o lado de pelos menos mais 10 pessoas ligadas a gestão do ex-prefeito, é aguardar e conferir.

A hora é agora! Vamos esvaziar os armários, soltar foguetes e comemorar por uma boa causa!

Nada melhor que um dia atrás do outro com uma noite no meio!

Confira abaixo  trechos das sentenças que condenaram o ex-prefeito ficha suja, José Laci :

laci-condenação-01    matéria-01

 

Cemar abre inscrições para programa de estágio

Publicado em: 21 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento
ce

Cemar abre inscrições para programa de estágio 2015.

Cemar abre inscrições para selecionar estudantes de nível superior e técnico para o Programa de Estágio 2015. O Programa é destinado aos estudantes que desejam obter vivência profissional, desenvolver suas habilidades e competências alinhadas ao perfil de estratégias e negócios da Companhia. As inscrições estarão abertas no período de 20/10/2014 a 21/11/2014, no site da Cemar: www.cemar116.com.br.

As inscrições para nível técnico são para Técnico em Eletrotécnica, Técnico em Eletromecânica, Técnico em Eletrônica. Para o nível superior, serão selecionados estudantes de Administração, Análise de Sistemas, Ciências da Computação, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Direito, Engenharia Civil, Engenharia da Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica e Marketing. O estudante de nível superior precisa estar, no mínimo, a dois anos de conclusão do curso.

O processo seletivo da Cemar segue seis etapas distintas até a aprovação final dos candidatos: inscrição, triagem curricular, provas on-line, dinâmica de grupo, avaliação psicológica e entrevista técnica.

Secretaria de Educação de Raposa realizou reunião para discutir a elaboração do Plano Municipal de Educação

Publicado em: 21 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento

unnamed

A Secretaria de Educação de Raposa realizou na manhã desta terça-feira (21), conferência para a formação da comissão que irar elaborar o Plano Municipal de Educação (PME).

O evento teve por objetivo apresentar o que é o Plano Municipal de Educação e convidar a população para participar da elaboração das diretrizes e metas educacionais.

Na ocasião esteve presente a Secretária de Educação, Maria  Ivone; a Coordenadora Geral de Ensino, Lídia Barbosa; a Presidente do Conselho Fundeb, professora Anair Alves; a Técnica da SEMED, Lucilene dos Santos; o Presidente do conselho da merenda escolar, professor Valdinaldo, a Representante do sindicato de professores, profª Rosinélia,  além de coordenadores, professores, pastores, diretores e demais representantes da sociedade.

A Técnica da SEMED, Lucilene dos Santos, explicou que o PME é elaborado por membros de vários segmentos da sociedade. “Contamos com a participação do poder Executivo, Legislativo, Ministério Público e Sociedade Civil Organizada”, disse Lucilene.

De acordo com a Técnica da Semed, é fundamental a participação de todos os segmentos. “O PME é um conjunto de ações que irá nortear as ações e propostas no âmbito da educação. É obrigatório em todos os municípios e temos autonomia para elaborar nosso plano não precisando esperar os planos estadual e Nacional. Por isso contamos com a participação da sociedade, afinal é um assunto de interesse de todos”, observou  Lucilene.

A Técnica revelou que em breve será realizada a primeira reunião com a comissão, onde se dará os primeiros passos para a elaboração do Plano Municipal de Educação (PME).

Prefeito Edivaldo recebe visita do senador eleito e vice-prefeito Roberto Rocha

Publicado em: 21 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento

O prefeito Edivaldo e o senador recém-eleito e vice-prefeito, Roberto Rocha (PSB), mantiveram o primeiro encontro oficial nessa segunda-feira (20) após o resultado do pleito, em audiência realizada no Palácio La Ravardière. Na visita de cortesia, Roberto Rocha, acompanhado do vereador Roberto Rocha Jr. (PSB), reafirmou os compromissos assumidos por ele e o prefeito durante a campanha eleitoral de 2012.

“Estamos recebendo nosso vice-prefeito e senador eleito para discutirmos projetos para a cidade de São Luís e sobre as possibilidades de assegurar recursos que poderão ser alocados para cá a partir do próximo ano para garantir realização de obras. Roberto Rocha terá papel muito importante, fundamental para a população do Maranhão e, especialmente, para São Luís”, comentou o prefeito.

O senador recém-eleito disse que vai se empenhar para trazer para São Luís recursos que permitam a construção de um grande centro de convenções, fortalecendo o turismo da capital e de todo o estado. “São Luís precisa entrar na rota do turismo de negócios”, orientou Roberto Rocha. Além do centro, Rocha afirmou que fará incursões para concretizar a construção de um shopping popular para absorver o comércio informal crescente na cidade.

Nesta primeira visita como senador eleito, ele reiterou ao prefeito o compromisso com a cidade de São Luís. Ele afirmou que o compromisso com a cidade é superdimensionado na medida em que a conquista do mandato é inédita, sendo ele egresso da estrutura da administração municipal. “Isso é inédito na história política do país”, disse.

Roberto Rocha reconheceu as dificuldades financeiras enfrentadas pelo prefeito Edivaldo nestes dois primeiro anos de mandato. “O prefeito vem sendo injustamente castigado pela ausência dos benefícios do governo estadual”, disse Roberto. Para ele, esta foi a forma que o grupo político do atual Governo do Estado encontrou para punir um político não alinhado, que apoiou candidaturas vitoriosas.

O vereador de São Luís, Roberto Rocha Júnior (PSB), acredita que o ineditismo da parceria entre o Governo do Estado e Prefeitura de São Luís, que se vislumbra a partir do próximo ano contribuirá para resolver problemas crônicos da administração. “A grande dificuldade da gestão não é a vontade de fazer, mas a falta de recursos para realizar os projetos”, enfatizou o vereador.

Estiveram presentes à visita os secretários municipais Marcelo Coelho (Agricultura, Pesca e Abastecimento) e Robson Paz (Comunicação).

Vigilante nega ter assassinado advogado Brunno Matos e pede segurança à OAB

Publicado em: 21 de outubro de 2014 | por: ellen nascimento

O vigilante João José Nascimento Gomes negou nessa segunda-feira (20) na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MA), no Calhau, que tenha sido autor dos golpes de faca que mataram o advogado Brunno Matos e vitimaram Alexandre Matos e Kelvin Chiang. Na ocasião, João Gomes solicitou segurança e afirmou que devolver a quantia de R$4.900,00 ao advogado Hadaiar Matões Rodrigues Neto.

Segundo ele, o advogado Hadaiar Matões o coagiu e exigiu que ele assumisse o crime ao delegado Márcio Dominici durante o seu interrogatório, no 7º Distrito Policial, no bairro do Turu, ocorrido no dia 15. O advogado contratado por João José Nascimento Gomes teria dito que ele não iria ser preso em uma das unidades de Pedrinhas e que responderia pelos crimes em liberdade. “O advogado só iria me defender caso eu afirmasse ser o autor do crime e não iria ficar preso em Pedrinhas”, afirmou o vigilante.

João José também afirmou que no dia do crime ele estava fazendo rondas pela rua de bicicleta e durante a briga estava procurando a cadela, que pertence a Carlos Marão, e ao transitar nas proximidades onde estava ocorrendo a briga a sua faca teria caído do bolso da calça. “De fato, a faca usada no crime é de minha propriedade, mas não sou eu a pessoa que matou o advogado. No momento, ando com medo de sofrer alguma represália pelo fato de ter dito a verdade”, afirmou João José Nascimento.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MA, Antônio Pedrosa, informou que a ordem vai acompanhar os transmites do processo. Inclusive, já houve até mesmo uma reunião, na semana passada, com o secretário de Segurança Pública, Marcos Affonso Júnior. No momento, a ordem vai indicar um novo advogado para o caso e o advogado Hadaiar Matões será inquirido pelos integrantes da Comissão de Prerrogativa da OAB/MA para dar explicações sobre essa denúncia. “Essa atitude do doutor Hadaiar é muito suspeita, pois o máximo que um advogado de defesa pede ao seu cliente é que fale apenas na presença do juiz, e ainda iremos verificar se existe algum tipo de ligação dele com os outros acusados”, frisou Pedrosa.

Na quinta-feira (16), o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Maranhão, Mário Macieira, afirmou em entrevista à rádio Mirante AM que a mãe do vigilante João José Nascimento Gomes denunciou à Comissão de Direitos Humanos que o filho teria sido coagido para assumir a autoria do assassinato do advogado.

“Ficamos muito surpresos com a procura da mãe do vigilante, o João, que afirmou ao presidente da Comissão de Direitos Humanos, o Pedrosa, que ele está sendo coagido. Toda prova anteriormente colhida já apontava para a autoria dos fatos. No depoimento do Marão, quando reinquerido, ele disse que o vigia presenciou, mas não matou. Estamos muito surpresos com isso. Fomos com uma comissão falar com o delegado Marcos Affonso, que nos assegurou que vão investigar todos os fatos, sem proteção. Nós confiamos muito no trabalho da polícia. Os dois sobreviventes reconheceram como autor das facadas o Diego. O Marão declara que o vigia não participou. Como que de uma hora para outra o vigilante assume a autoria dos fatos?”, questionou Mário Macieira, presidente da OAB-MA.

Reunião 

O subdelegado geral da Polícia Civil, Augusto Barros, realizou ontem uma reunião com a comissão composta pelos titulares da Delegacia de Homicídios, Jeffrey Furtado e Guilherme Sousa Filho, e do 7º Distrito Policial, Márcio Fábio Dominici, que está designada para concluir os autos complementares do inquérito policial sobre o assassinato do advogado e assessor jurídico do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Brunno Eduardo Matos Soares, de 29 anos, e pelas duas tentativas de homicídio que tiveram como vítimas Alexandre Matos Soares, de 25 anos, e Kelvin Kim Shiyangue, de 26 anos. O fato ocorreu na madrugada do dia 6 de outubro, durante a festa de comemoração pela eleição de Roberto Coelho Rocha, da coligação Todos pelo Maranhão, em uma residência, localizada na Rua dos Magistrados, no bairro do Olho d’Água.

O encontro ocorreu na sede da Secretaria de Segurança Pública, na Vila Palmeira. Segundo o delegado Guilherme Sousa Filho, a reunião serviu para traçar os novos caminhos do trabalho investigativo sobre o caso. Ele frisou que a comissão tem 30 dias para concluir todo o serviço e, no decorrer desses dias, ocorrerão novos depoimentos, imagens de circuito de segurança serão analisadas e resultados de perícias coletados e anexados ao inquérito. Somente no término do trabalho está prevista para ocorrer a reprodução simulada dos fatos.

Ele explicou que o delegado Márcio Fábio Dominici enviou o inquérito policial à Justiça, no último dia 16, porque houve a necessidade de atender ao prazo judicial. “Como aconteceu a prisão em flagrante de Carlos Humberto Marão Filho, 38 anos, caso não atendesse ao prazo de 10 dias, poderia abrir uma lacuna para o relaxamento da prisão do suspeito. Mas o inquérito foi para a Justiça com o pedido de devolução”, explicou o delegado.

A comissão foi criada pela Delegacia Geral da Polícia Civil, na sexta-feira, com o dever de explicar as contradições que ocorreram durante o trabalho investigativo, principalmente no tocante às declarações apresentadas para a polícia tanto pelos acusados quanto pelas vítimas.