Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Flávio Dino anuncia prisões na Secretaria de Educação

Publicado em: 27 de maio de 2015 | por: ellen nascimento

O governador Flávio Dino anunciou na manhã desta quarta-feira (27), a prisão de acusados de desvio milionário em órgão da Educação do ex-governo Roseana Sarney (PMDB).

bbb1-640x235-e1432736358746

A operação Cayenne, comandada pela Superintendência de Combate à Corrupção, apura desvios estimados em R$ 34.000.000,00 (trinta e quatro milhões de reais), da Universidade Virtual do Maranhão – Univima e já prendeu temporariamente quatro pessoas: Paulo Giovanni Aires Lima, administrador; José de Ribamar Santos Soares; Inaldo Damasceno Correa e o empresário Valmir Neves Filho.

Também foram apreendidos carros, jóias, relógios de luxo em buscas e apreensões em mansões em São Luís.

Câmara retoma hoje votação da reforma política

Publicado em: 27 de maio de 2015 | por: ellen nascimento

size_810_16_9_camara-congresso

Os deputados entram hoje (27) no segundo dia de votação da reforma política. Ainda falta decidir pontos, como o fim da reeleição e das coligações, o tempo de mandato e também o fim do voto obrigatório.

A discussão deve começar com financiamento de campanha. Ontem os deputados rejeitaram o financiamento privado, ou seja, a doação de empresas a partidos e campanhas. Mas ainda precisam decidir se empresas poderão doar somente a partidos, se pessoas físicas poderão fazer doações ou se o financiamento de campanha no Brasil será exclusivamente público, com base no fundo partidário e no tempo de televisão.

Hoje vale o sistema misto em que empresas e pessoas físicas podem fazer doações. O assunto foi parar no Supremo Tribunal Federal e está desde o ano passado pendente de decisão por causa de um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Outro ponto rejeitado ontem foi o do chamado distritão, que previa a divisão de estados em distritos em que venceria o candidato mais votado. Rejeitaram também o distritão misto, em que o voto seria feito por meio de distritos e de lista fechada de candidatos definidos pelos partidos. Com isso, fica valendo o sitema atual: proporcional com lista aberta.

DNIT do Maranhão em novos rumos

Publicado em: 26 de maio de 2015 | por: ellen nascimento

bc9806_1c08164555b0425aa7387cc590bf206d

Foi publicado hoje no Diário Oficial da União as exonerações dos titulares da Chefia de Administração e Finanças e a Chefia de Serviço de Engenharia em uma mesma canetada. Tal situação foi reflexo de uma administração desastrosa dos titulares das pastas. Ninguém estava mais aguentando tamanha perseguição a funcionários terceirizados e agora por último de funcionários da casa.

A substituição que já vinha sendo anunciada há muito tempo, foi retardada pelos entraves burocráticos do Governo Federal, porém ninguém duvidava que iria acontecer. Chegou notícias a este blog da execução de uma reforma da rede elétrica, construída agora de forma aparente e totalmente sem estética que, segundo consta, fora aprovada por um Engenheiro da casa, conhecido pela alcunha de “biriteiro militante” e que depois de tomar umas doses no bar ao lado, aprovou o projeto nefasto.

Consta também que o citado “biriteiro” é costumaz elaborador de termo de referência e projeto básico para manutenção das nossas rodovias federais. Agora também já foi anunciada as mudanças dos cargos numa completa faxina do poder, daqueles que não sabem exercê-lo. Os novos titulares das pastas de Engenharia e Administração são pessoas experientes e de capacidade comprovada.

Parabéns ao DNIT pela nova administração.

Coordenador do Samu é demitido após falar que hospital que atendeu Luciano Huck e Angélica não atendeu 6 pacientes

Publicado em: 26 de maio de 2015 | por: ellen nascimento

Eduardo Cury reclamou que atendimento dado a Angélica e Luciano não é o mesmo oferecido em condições normais Foto: Correio do Estado

Eu aplaudo a rapidez e só quero que esse tratamento seja dado para todos os pacientes, mas o critério que foi usado para eles, posso garantir, não é o mesmo usado para quem precisa e alguém tem que defender o pobre nesse País” disse o coordenador.

O atendimento VIP dado à família dos apresentadores Angélica e Luciano Huck por equipe médica da Santa Casa de Campo Grande/MS revoltou o coordenador do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Eduardo Cury.

De acordo com Cury, o mesmo atendimento não é prestado aos pacientes de Campo Grande e, tanto é verdade, que atualmente cinco pessoas estão em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) aguardando leitos na Santa Casa.

“A única coisa que peço é que o tratamento dado à família do Huck seja dado a todos os pacientes. Quando levamos pacientes para o hospital, não podemos descer o paciente. Um enfermeiro deve fazer a classificação de risco e avaliar se desce ou não com o paciente. O que me revoltou muito é que temos cinco pacientes esperando leitos”, explicou Eduardo Cury.

PACIENTE INFARTOU

O coordenador do Samu contou o caso da paciente Celina, 53 anos, que sofreu infarto e, desde sábado (23), aguardava por um leito. “Procuramos leitos pelas unidades e a Santa Casa nos informou que não tinha aparelho respiratório, mas fecharam o CTI de transplante cardíaco para colocar a família global porque estava sendo assediada”, criticou.

Eduardo Cury disse ainda que o Samu conseguiu levar a paciente Celina para o Hospital Universitário ontem à tarde, no mesmo horário que estava sendo atendida a família global na Santa Casa e, uma hora depois, ela faleceu. “Não posso afirmar que se ela tivesse ido com mais antecedência seria salva, mas também não posso raciocinar assim. Tenho que oferecer os melhores serviços no menor tempo possível.”, destacou.

“Se não tem pacientes de alta complexidade, eu levaria nas ambulâncias do Samu, com maior prazer, para os hospitais particulares de Campo Grande”, contou o médico, afirmando que, em condições normais, os pacientes devem ser regulados pelo Samu e essa fila não pode ser furada.

COORDENADOR DO SAMU É DEMITIDO

Depois das declarações do coordenador do SAMU na Capital, Eduardo Cury, houve repercussão nacional, segundo o Coordenador, o hospital que atendeu Luciano Huck e Angélica negou atendimento a 6 pessoas na manhã de domingo.

A repercussão foi bombástica para o hospital, em nota responsável pela Santa Casa, lamenta as declarações do coordenador do SAMU, e diz que “Cabe ao regulador municipal, enquanto autoridade sanitária, decidir pela melhor assistência ao paciente. Se estes se encontram na UPA porque o regulador decidiu que diante das circunstâncias, esta unidade é o local disponível mais indicado”, explica.

Câmara começa a votar hoje novas regras para as eleições

Publicado em: 26 de maio de 2015 | por: ellen nascimento

p3es7fk7y_4ieghaa8ye_file

O plenário da Câmara dos Deputados começará, nesta terça-feira (26), a analisar as propostas de reforma política.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), disse que a decisão de não votar a reforma política na comissão especial não foi tomada por ele, mas pelos líderes partidários. “A comissão especial tem uma representatividade que não expressa a proporcionalidade do Plenário, e o objetivo é que tudo seja votado”, disse.

A proposta teve o aval da maioria dos líderes partidários, de acordo com o líder da Minoria, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE). “Há a compreensão majoritária de que, regimentalmente, a não votação na comissão permite mais acordos ao longo do Plenário. Permite alguma chance de pontos negociados artigo a artigo. A votação na comissão levaria a outro tipo de procedimento que deixaria poucas alternativas de negociação no plenário”, explicou.

A decisão foi criticada pelo líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), para quem a comissão foi “assassinada”. “Jamais vimos uma comissão especial não concluir os seus trabalhos querendo discutir, querendo votar o relatório do Marcelo Castro. Essa votação final era uma obrigação regimental.”

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) acusou o presidente da Câmara de “golpe”. “Foi uma ação autoritária do presidente da Câmara que, de forma imperial, decidiu cancelar os trabalhos da comissão e usar a mão de ferro para impor a vontade dele”, disse Fontana.

Eduardo Cunha respondeu às críticas acusando Fontana de inviabilizar a reforma em legislaturas anteriores. “Ditatorial é colocar um único modelo, como Henrique Fontana foi relator no passado da reforma política e ditatorialmente colocou apenas aquilo que ele entendia que era a reforma. Jamais permitiu que outros modelos fossem votados. A razão pela qual a reforma política não saiu na legislatura passada foi única e exclusivamente culpa de Henrique Fontana”, rebateu Eduardo Cunha. Fontana nega ser o responsável pelo fracasso de tentativas anteriores.

Temas em votação

De acordo com a reunião de líderes, o projeto da reforma política será votado por grupo de artigos, em que a primeira opção que tiver o voto favorável de 308 deputados prevalecerá, de acordo com os seguintes temas:

1. Sistema eleitoral para eleição de deputados: proporcional com lista; distrital misto; distritão; e distritão misto.
2. Financiamento de campanhas: público e privado extensivo a pessoa jurídica; público e privado restrito a pessoa física; e público.
3. Fim ou não da reeleição;
4. Tempo de mandato de cargos eletivos;
5. Coincidência de mandatos: 2 anos para o próximo ano; 6 anos para o próximo ano; 2 anos para 2020;
6. Cota para as mulheres;
7. Fim das coligações;
8. Cláusula de barreira;
9. Outros temas independentes: voto obrigatório e data da posse presidencial.
Ainda não está claro se outros temas que sejam objeto de outras propostas de emenda à Constituição que foram analisadas pela comissão especial e tramitam em conjunto poderão ser discutidos por meio de destaques. Há deputados que admitem essa possibilidade, enquanto outros dizem que apenas os temas da lista serão analisados pelo plenário.

Obstrução

Também não há acordo sobre se prevalecerá a proposta dos líderes de não obstrução. O líder da Minoria, Bruno Araújo, disse que dificilmente será uma votação tranquila. “Houve o acordo de não haver obstrução velada, mas é óbvio que, pelo tensionamento do debate, haverá votações em que os partidos irão usar instrumentos como destaques para tentar detalhar ao máximo a matéria. Parece pouco provável que, na prática, não haja um processo de votação lenta”, disse.

Henrique Fontana disse que vai usar o Regimento Interno para impedir a aprovação de temas como o financiamento de empresas e o distritão – sistema que acaba com o voto proporcional e torna eleitos os candidatos a deputado e vereador mais votados. “Dependendo do relatório, vamos apresentar destaques supressivos para retirar empresas do financiamento, vamos usar todo o tempo de debate”, explicou.

Com informações da Agência Câmara