Ellen Nascimento

Blog Jornalístico

Prefeitura de São Luís garante continuidade de estudos a pacientes em tratamento de hemodiálise

Publicado em: 3 de julho de 2015 | por: admin

Uma parceria entre a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Hospital Universitário Presidente Dutra, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), possibilita a pacientes em tratamento de hemodiálise a oportunidade de avançar nos estudos. Jovens, adultos e idosos que ainda não são alfabetizados ou não concluíram o Ensino Fundamental recebem aulas por meio do projeto ABC Nefro. Na última semana, 21 alunos-pacientes concluíram as aulas do primeiro semestre letivo de 2015, realizadas durante as sessões de hemodiálise, em dias alternados.

Foto: Fabrício Cunha

Embora já aconteça em outros estados brasileiros para turmas de crianças e adolescentes, a iniciativa é pioneira no Brasil para a área de Educação de Jovens e Adultos (EJA). O projeto iniciou em 2013, quando foi formalizada a parceria entre a Prefeitura de São Luís e o Hospital Universitário Presidente Dutra. A iniciativa contribui para universalizar o acesso à Educação e erradicar o analfabetismo na cidade de São Luís – ambas metas previstas no Plano Municipal de Educação (PME) e que já norteiam a política do prefeito Edivaldo para a área educacional.

“Nossos educadores têm trabalhado para garantir um ensino de qualidade aos seus estudantes, mesmo em situações difíceis, como é o caso de um tratamento de saúde prolongado. Agradecemos imensamente o cuidado e o carinho desses professores, cujo trabalho ajuda a promover cidadania, inclusão social e qualidade de vida a cada um que se beneficia dessa iniciativa”, disse o secretário municipal de Educação, Geraldo Castro Sobrinho.

A assistente social Gisele Silva Pereira, coordenadora do projeto ABC Nefro junto ao Hospital Universitário Presidente Dutra, contou que a ideia de promover a escolarização dos pacientes em tratamento já era um anseio antigo da equipe. “Só não sabíamos como iríamos viabilizar isso. Foi então que surgiu a ideia de criarmos a Classe Hospitalar ABC Nefro, trazendo para dentro das salas de hemodiálise professores capacitados”, explicou.

O projeto também ajuda no sucesso do tratamento médico dos pacientes.”Os pacientes vão para casa com receita e medicamentos e, se não têm o domínio da leitura e da escrita, terão dificuldades de reconhecer os nomes dos remédios, os horários e a dosagem certa de casa um”, pontuou Nilsen Maria de Almeida Costa, uma das educadoras da Semed que atua no projeto.

AULAS
A Prefeitura de São Luís fornece material didático e disponibiliza professores da rede municipal para o atendimento nos turnos matutino e vespertino. Para desenvolver o projeto, os educadores que atuam no ABC Nefro participaram de formação, realizada pelo Hospital Universitário, para entender a patologia das doenças renais e as condições físicas e emocionais dos pacientes em tratamento.

O atendimento pedagógico é individualizado, valorizando as experiências familiares, de trabalho e os anseios dos alunos-pacientes em relação à leitura e escrita. As aulas acontecem durante as sessões de hemodiálise, respeitando as condições de saúde e de bem-estar dos estudantes. A alfabetização é centrada no universo vocabular dos alunos, sistematizando suas experiências e buscando ampliar a visão de mundo.

   Foto: Fabrício Cunha

Inaldo de Jesus Oliveira, 38 anos, é um dos alunos-pacientes do projeto ABC Nefro desde 2013. Ele conta que quando começou, mal sabia assinar o nome e reconhecia poucas letras do alfabeto. “Depois que comecei a participar das aulas, aprendi mais e já sei ler e escrever algumas palavras. Este ano, quero avançar na escrita e espero concluir o Ensino Fundamental”, assinala Inaldo, que faz tratamento de hemodiálise há mais de 15 anos. Já Karoline Guedes Reis, 16 anos, residente no bairro da Cidade Operária, faz hemodiálise desde o ano passado e começou a participar do projeto em 2014. Além dos problemas nos rins, a adolescente tem baixa visão e deficiência intelectual. “A professora é super legal, bacana e charmosa”, disse.

A educadora Etiene Berrêdo, que acompanha Karoline, diz que a adolescente tem tido progressos e que é dedicada e atenta, especialmente quando estuda assuntos de seu interesse, como a música. “A metodologia de uma classe hospitalar foge da tradicional. Para cada aluno-paciente, há um planejamento e essa distinção é que tem ajudado no progresso de cada um. Ao mesmo tempo em que ensinamos também aprendemos lições de coragem e força de vontade”, assinala a educadora, que destaca o valor social do projeto, por melhorar inclusive a autoestima dos pacientes durante o tratamento.

Viviane Fontenelle, também professora da classe hospitalar, diz que tem sido uma grande experiência trabalhar com alunos tão especiais e dedicados. “A função social da escola vai além da educação pedagógica, ela tem que ser humanística. O Hospital Universitário e a Prefeitura de São Luís estão de parabéns por essa iniciativa”, ressaltou.

Agência bancária em Buriticupu é alvo de ação de criminosos

Publicado em: 3 de julho de 2015 | por: admin

explosao-e-registrada-em-agencia-bancaria-de-buriticupu-ma-190070Uma explosão de caixa eletrônico do banco Bradesco foi registrada no fim da madrugada desta sexta-feira (3), em Buriticupu (MA), município localizado a 395 km de distância de São Luís. O caso aconteceu por volta das 5h, e foi confirmado pela delegacia de Polícia Civil da cidade.

Não há informações sobre a quantia levada pelos criminosos. A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-MA) e o banco Bradesco ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Estatísticas

De acordo com dados divulgados nessa quinta-feira (2), pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão (Seeb-MA), já são 52 ocorrências em agências bancárias em 2015, contra 75 em 2014. Do total de ocorrências, 11 são do tipo assalto; 26 casos de arrombamento; e nove saidinhas bancárias.

Fonte: G1

Prefeitura da Raposa garante assistência e locomoção para jovem vítima de AVC

Publicado em: 3 de julho de 2015 | por: admin

Na manhã da última quarta-feira (1º), a secretária de Assistência Social do município de Raposa, Lília Oliveira, esteve acompanhada da assistente social, Cinara Holanda, visitando e analisando de perto a situação na qual se encontra a jovem Shirleide Cinara Cardoso de Jesus, de 23 anos, que por conta de um HIV– Acidente Vascular cerebral, encontra-se sem os movimentos das pernas, precisando usar uma cadeira de rodas para se locomover.

avcO caso da jovem se tornou público após apelo feito por amigos da família no programa de rádio local de grande audiência na cidade, fato que comoveu e motivou de imediato uma visita da equipe de Assistência Social do município, para que fosse averiguada de perto a situação.

A secretária Lília Oliveira garantiu à jovem apoio ao tratamento que a jovem já vem realizando em São Luís, colocando a disposição o setor de transporte da Prefeitura.

O transporte para as sessões de fisioterapia, realizadas pela própria Prefeitura, no CAPS – Centro de Atenção Psicossocial.

Lília disse ainda que vai analisar todos os programas sociais nos quais a jovem está inserida e caso haja possibilidades, tentará colocá-la em outros programas.

“A jovem já é assistida pelo CAPS, através do nosso fisioterapeuta, mas vamos ajudá-la, também, com a locomoção para um tratamento que ela já realiza em São Luís. Estamos sempre dispostos a atender as pessoas da melhor maneira possível”, disse Lilia.

Deputado Rubens Jr integra mesa diretora que analisa escolha de Tribunais de Justiça

Publicado em: 2 de julho de 2015 | por: admin

O vice-líder do PCdoB na Câmara, Rubens Pereira Jr, fará parte da mesa diretora da Comissão Especial que vai analisar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 187/2012. O projeto altera as regras para escolha dos presidentes dos Tribunais de Justiça dos estados.

CI3R-HSWgAIpJcn

Atualmente, apenas uma pequena parcela de magistrados participa das eleições para os seus órgãos diretivos. “A estimativa nacional é de que apenas 15% os magistrados participem da eleição do comando do TJ”, afirmou Rubens Jr. “Para democratizar o acesso à Justiça, temos também de democratizar o funcionamento interno do Poder Judiciário”.

A PEC determina que todos os magistrados possam participar da eleição para escolha das mesas diretoras do TJ de cada estado. Rubens Jr será o 3º vice-presidente da Comissão que vai analisar o projeto.

Durante a posse na mesa diretora da Comissão, Rubens Jr recebeu a visita de Gervásio Santos Jr, presidente da Associação dos Magistrados Maranhenses (AMMA).

Câmara aprova projeto da redução da maioridade penal

Publicado em: 2 de julho de 2015 | por: admin

Depois de uma longa discussão, com muitos momentos tensos, foi aprovado nas primeiras horas desta quinta-feira (2) o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93, que reduz a maioridade penal para 16 anos.

Embora essa mesma PEC tenha sido derrotada na madrugada anterior, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), articulou uma emenda aglutinativa – que junta trechos de outras versões da proposta num novo texto – para votar novamente o assunto. A nova versão da PEC, aprovada com 323 votos favoráveis e 155 votos contra e 2 abstenções, prevê redução da maioridade penal para 16 anos em casos de crimes hediondos, homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

alx_brasil-plenario-camara-20150701-02_original

O texto rejeitado na madrugada anterior previa diminuição da maioridade penal em casos de crimes hediondos, homicídio doloso, lesão corporal grave, lesão corporal seguida de morte e roubo com causa de aumento de pena. A versão aprovada exclui desse espectro o tráfico de drogas e o roubo qualificado. Essa versão do texto foi consolidada pelo líder do PSD na Câmara dos Deputados, Rogério Rosso (DF). Para ser aprovada, uma PEC necessita de, no mínimo, 308 votos.

O texto precisará ainda passar por nova votação na Câmara antes de seguir para o Senado, onde também precisará passar por duas votações. Na madrugada de quarta-feira, uma outra versão da mesma PEC havia sido derrotada ao receber 303 votos. Esse texto derrotado foi relatado por Laerte Bessa (PR-DF), que acolheu fragmentos do texto de Jutahy Júnior (PSDB-BA) para conquistar o apoio dos tucanos. O texto original de Bessa previa redução da maioridade penal para 16 anos de forma irrestrita.

A votação foi marcada por uma série de acusações. O grupo que se posicionou de forma contrária à redução da maioridade acusou Cunha de desobedecer o regimento interno da Casa para possibilitar a nova votação. O argumento dos contrários é o de que a emenda apreciada nesta segunda votação contém trechos já rejeitados na primeira votação. Cunha rejeitou todas as tentativas de barrar a votação. Ele foi chamado de golpista.

“Vossa Excelência comanda uma farsa. Essa sessão é um golpe contra a democracia e contra a decisão soberana deste Plenário”, vociferou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP). O grupo contrário à redução tentou aprovar um requerimento de retirada de pauta do novo texto, mas acabou derrotado por 304 votos a 159. Foi uma das muitas tentativas de obstrução que falharam ao longo desta segunda votação. Outros dois requerimentos dessa natureza foram derrubados.